Connect with us

O que procura?

Entrevistas

A união faz a força. Associações portuguesas criam soluções como resposta aos desafios da pandemia

Monitorização digital à distância através de uma pulseira, esclarecimento e apoio à distância na utilização de ventiladores e partilha de formações rápidas em COVID-19. São estes os projetos que uniram várias empresas que afincadamente estão a trabalhar para que estejam no terreno o mais rápido possível. A liderar a iniciativa está o Health Cluster Portugal (HCP), que, segundo a Dr.ª Joana Feijó, diretora de Desenvolvimento de Negócio do HCP, rapidamente juntou empresas especializadas nestas áreas para ajudar e precaver futuros problemas neste combate à pandemia. Assista às declarações em vídeo.

O Covidmonitoring, que estará pronto dentro de três meses, permite a monitorização digital à distância através de uma pulseira. Ou seja, os “médicos conseguem acompanhar os doentes diagnosticados e suspeitos de infeção em casa, evitando a disseminação da doença”. A pulseira consegue registar, entre outros parâmetros, a temperatura corporal, a saturação do oxigénio no sangue (SpO2) e a frequência cardíaca, permitindo que os médicos consigam “avaliar o estado clínico relativamente ao doente diagnosticado ou suspeito”, menciona a Dr.ª Joana Feijó.

Os dados, através de mecanismos de business intelligence, conseguem gerar alertas que serão enviados para os médicos com as respetivas informações. “Desta forma, mantemos os doentes em casa e hospitalizamos só aqueles que são realmente necessários, impedindo que os hospitais fiquem sobrecarregados”, explica, acrescentando que o projeto “permite também programar os próprios cuidados hospitalares e fazer uma avaliação epidemiológica da população em causa e perceber o comportamento global da COVID-19”.

Face à possível escassez de recursos humanos e equipamentos, particularmente ventiladores, como consequência do grande afluxo aos cuidados intensivos, surge o CovidVentilSupport, com apoio à distância na utilização de ventiladores. Este projeto, que estará pronto entre duas a quatro semanas, pretende apoiar e ajudar os médicos que não utilizam os ventiladores diariamente na sua prática clínica, como os médicos intensivistas e anestesiologistas.

Neste sentido, foi criada uma bolsa de médicos anestesiologistas e intensivistas, que estão disponíveis através de telefone ou vídeo para “ajudar o médico que está linha da frente e precisa de orientações para operar o ventilador”.

O terceiro projeto – Covidlearning – surge como fonte de informação rigorosa e credível sobre esta pandemia, que estará disponível na plataforma Tonicapp. Os médicos poderão, dentro de duas semanas, ter acesso aos conteúdos produzidos também por médicos nesta linha de combate.

À HCP juntaram-se empresas, como Plux, Centro de Medicina Digital P5, HealthySystems, CINTESIS, TonicApp, Promptly, 2CA-Braga, Centro Hospitalar Universitário São João, Medtronic, Astrazeneca e Fraunhofer.

Mais Lidas

Notícias relacionadas

Entrevistas

A crise pandémica que o país atravessa surtiu consequências diretas nos cuidados de saúde, uma vez que estes foram obrigados a mudar as suas...

Investigação

Leung N et al. publicaram na Nature Medicine que os aerossóis são um modo potencial de transmissão de coronavírus e que as máscaras cirúrgicas...

Atualidade

O pneumologista e coordenador do gabinete de crise da Ordem dos Médicos, o Prof. Doutor Filipe Froes, mostra-se dececionado com a postura da Organização...

Atualidade

O número de vítimas mortais provocadas pela COVID-19 em Portugal foi inferior ao verificado durante as epidemias de gripe, indica o Jornal de Negócios....