Connect with us

O que procura?

Mapa de risco de propagação da COVID-19 por contágio comunitário em Portugal

Um grupo de investigadores do Centro de Física Teórica e Computacional (CFTC) da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (Ciências ULisboa) está a participar no desenvolvimento do mapa de risco de propagação da COVID-19 por contágio comunitário em Portugal, um projeto coordenado pelas Universitat Rovira i Virgili, em Tarragona, e Universidad de Zaragoza, em Zaragoza, ambas em Espanha e que em Portugal tem como parceiros a NOS, a Data Science Portuguese Association e a Closer Consulting.

“Dois aspetos importantes para a previsão da propagação da COVID-19 são a distribuição geográfica dos casos identificados e a mobilidade das pessoas. É isso que nós estamos a considerar, pela primeira vez para o caso português”, afirma o Prof. Doutor Nuno Araújo, coordenador do CFTC Ciências ULisboa, que começou a trabalhar neste mapa há cerca de duas semanas, juntamente com o Prof. Doutor Hygor Piaget Melo, investigador do CFTC Ciências ULisboa.

O site inclui três mapas de risco de propagação da COVID-19 por contágio comunitário para Espanha, Portugal e Brasil. O modelo utilizado é uma versão generalizada de uma família de modelos epidemiológicos de tempo discreto, que foi especialmente modificada para representar a dinâmica de transmissão do SARS-COV-2. O modelo visa estimar a taxa de risco de cada concelho de Portugal, tendo em consideração a dinâmica de transmissão do SARS-COV-2, os padrões de mobilidade recorrente em Portugal e a demografia da população portuguesa.

Os dados de mobilidade foram fornecidos pela NOS SGPS a partir dos padrões de mobilidade dos utilizadores de telemóvel durante o mês de janeiro de 2020. Os dados do número de infetados foram recolhidos dos relatórios diários da Direção-Geral da Saúde (DGS) e dos meios de comunicação. “Em breve iremos receber dados oficiais da DGS. A possibilidade de fazer previsões a nível regional é muito importante para auxiliar na decisão, uma vez que permite estimar as necessidades de apoio locais, bem como avaliar a eficiência de cordões sanitários ou outras medidas de contenção local”, explica o Prof. Doutor Nuno Araújo.

Esta primeira previsão está disponível para consulta pública e como é habitual noutros modelos deste tipo necessita de ser constantemente validada e atualizada. “Há um conjunto de medidas de prevenção implementadas que se esperam afetar quer os padrões de mobilidade como a forma como as pessoas interagem. Isso tem que ser tido em conta em futuras previsões já que se espera surtir efeitos nos próximos dias”, conclui

Mais Lidas

Notícias relacionadas

Entrevistas

Monitorização digital à distância através de uma pulseira, esclarecimento e apoio à distância na utilização de ventiladores e partilha de formações rápidas em COVID-19....

Entrevistas

A crise pandémica que o país atravessa surtiu consequências diretas nos cuidados de saúde, uma vez que estes foram obrigados a mudar as suas...

Investigação

Leung N et al. publicaram na Nature Medicine que os aerossóis são um modo potencial de transmissão de coronavírus e que as máscaras cirúrgicas...

Atualidade

O pneumologista e coordenador do gabinete de crise da Ordem dos Médicos, o Prof. Doutor Filipe Froes, mostra-se dececionado com a postura da Organização...