Connect with us

O que procura?

Atualidade

EMA dá luz verde à vacina da Moderna

A Agência Europeia do Medicamento (EMA) deu hoje, dia 6 de janeiro, “luz verde” à utilização da vacina da farmacêutica Moderna contra a COVID-19 na União Europeia (UE). Esta é a segunda vacina contra a doença aprovada pelo regulador europeu.

Em comunicado, a entidade afirma que “recomendou a concessão de uma autorização condicional de comercialização da vacina COVID-19 Moderna para prevenir a doença do coronavírus em pessoas a partir dos 18 anos de idade”.

A aprovação surge depois de o comité de medicamentos para uso humano da EMA (CHMP) ter “avaliado exaustivamente os dados sobre a qualidade, segurança e eficácia da vacina e ter recomendado por consenso a concessão de uma autorização formal condicional de comercialização pela Comissão Europeia”, adianta o regulador comunitário.

A vacina da Moderna, com uma eficácia comprovada superior a 90%, é a segunda a ter aval da EMA, após a aprovação, a 21 de dezembro de 2020, do fármaco desenvolvido pelas farmacêuticas Pfizer e BioNTech, que está a ser utilizado no espaço europeu desde 27 de dezembro.

De acordo com a Dr.ª Emer Cooke, diretora executiva da EMA, a vacina da Moderna é mais “outro instrumento para superar a atual emergência” gerada pela pandemia de COVID-19.

“É uma prova dos esforços e empenho de todos os envolvidos termos esta segunda recomendação positiva de vacina, apenas um ano desde que a pandemia foi declarada pela OMS”, adianta a responsável.

Um amplo ensaio clínico promovido pela Moderna, envolvendo 30 mil pessoas, revelou que a vacina desta farmacêutica norte-americana foi eficaz na prevenção da COVID-19 em pessoas com mais de 18 anos, com uma eficácia geral de 94,1% e de 90,9% nos casos graves. Tal como a vacina da Pfizer e BioNTech, a da Moderna é administrada por duas injeções no braço separadas no tempo, tendo neste caso 28 dias de intervalo.

À semelhança de outras vacinas, esta da Moderna para a COVID-19 tem efeitos secundários ligeiros como dor e inchaço no local da injeção, cansaço, arrepios, febre, gânglios linfáticos inchados ou sensíveis debaixo do braço, dor de cabeça, dores musculares e articulares, náuseas e vómitos.

A EMA adianta no comunicado que “a segurança e eficácia da vacina continuará a ser monitorizada à medida que for sendo utilizada em toda a UE, através do sistema de farmacovigilância e de estudos adicionais realizados pela empresa e pelas autoridades europeias”.

Fonte: Lusa

Mais Lidas

Notícias relacionadas

Entrevistas

Monitorização digital à distância através de uma pulseira, esclarecimento e apoio à distância na utilização de ventiladores e partilha de formações rápidas em COVID-19....

Entrevistas

A crise pandémica que o país atravessa surtiu consequências diretas nos cuidados de saúde, uma vez que estes foram obrigados a mudar as suas...

Investigação

Leung N et al. publicaram na Nature Medicine que os aerossóis são um modo potencial de transmissão de coronavírus e que as máscaras cirúrgicas...

Atualidade

O pneumologista e coordenador do gabinete de crise da Ordem dos Médicos, o Prof. Doutor Filipe Froes, mostra-se dececionado com a postura da Organização...