Connect with us

O que procura?

Entrevistas

“SAFE Coating”: projeto quer inativar o SARS-CoV-2 em superfícies

A COVID-19 introduziu não só mudanças nas rotinas diárias, como também um sentimento de incerteza perante a sua omnipresença. Mas, e se fosse possível proteger as superfícies com materiais que eliminassem o vírus e devolvessem alguma segurança? É esse o objetivo do projeto “SAFE Coating – Anti Viral Coating for Wide Spread Use”. Em entrevista, o Prof. Doutor Carlos Cordeiro, do Departamento de Química e Bioquímica (DQB) da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (Ciências ULisboa) e responsável pelo trabalho, adiantou os principais objetivos do mesmo. Veja o vídeo.

Financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) para ser executado em seis meses, o trabalho consiste em “explorar, desenvolver e melhorar uma tecnologia única desenvolvida pela Biomimetx na degradação do SARS-CoV-2 em superfícies”, sobretudo em “tintas e materiais que possam absorver este tipo de substâncias”.

Ainda em fase preliminar, o investigador revela que “o impacto desta tecnologia é muito grande, porque uma das grandes preocupações tem a ver com o desconhecimento de quanto tempo é que o vírus permanece viável em superfícies”, sustenta.

O cientista adianta que, de acordo com os estudos realizados até ao momento, “essa viabilidade está descrita como podendo ser de algumas horas a vários dias”, dependendo da natureza da superfície, das condições ambientais e de “imensos outros fatores que são impossíveis de controlar fora de laboratório”.

“Objetivamente, temos que viver com a incerteza de que o vírus pode estar sempre presente num intervalo ainda bastante grande de tempo”, acrescenta. Nesse sentido, continua o professor da Universidade de Lisboa, “a partir do momento em que adotamos uma metodologia que torna superfícies passíveis de incorporar este tipo de pintura, passamos a impedir o vírus de sobreviver fora do hospedeiro, e, como tal, eliminamos uma potencial fonte de contágio”.

A tecnologia contribui ainda para “criar uma sensação de segurança real” no que toca a abordagem das pessoas perante o seu ambiente, ambiente este que, até ao momento, pode estar contaminado com a COVID-19, que “introduziu alterações radicais nas nossas rotinas e no nosso modo de vida”, complementa o Prof. Doutor Carlos Cordeiro.

“Não é só o distanciamento social, mas também o facto de termos passado a viver como se estivéssemos num laboratório de Microbiologia”, esclarece, dando como exemplos a preocupação em transportes públicos e a desinfeção dos produtos de supermercado.

Quanto ao acesso à tecnologia, o especialista informa que “numa primeira fase, esta aplicação vai ser reservada para situações extremamente críticas, nomeadamente no meio hospitalar”, esperando haver uma “razoável durabilidade”.

A tecnologia, que conta com a Biomimetx, empresa incubada no Tec Labs – Centro de Inovação da Ciências Universidade de Lisboa e o Hospital Curry Cabral como parceiros, poderá ainda ser aplicada a vírus de natureza estrutural semelhante, já que “nada nos garante que não venhamos a enfrentar mais vírus deste tipo no futuro”.

Até ao final de 2020, o investigador estima já ter resultados concretos quanto à viabilidade do projeto, ao passo que a comercialização do produto levará, “pelo menos, mais um ano”.

Fotografia: Laboratório de FT-ICR e Espectrometria de Massa Estrutural Ciências ULisboa

Mais Lidas

Notícias relacionadas

Entrevistas

Monitorização digital à distância através de uma pulseira, esclarecimento e apoio à distância na utilização de ventiladores e partilha de formações rápidas em COVID-19....

Entrevistas

A crise pandémica que o país atravessa surtiu consequências diretas nos cuidados de saúde, uma vez que estes foram obrigados a mudar as suas...

Investigação

Leung N et al. publicaram na Nature Medicine que os aerossóis são um modo potencial de transmissão de coronavírus e que as máscaras cirúrgicas...

Atualidade

O pneumologista e coordenador do gabinete de crise da Ordem dos Médicos, o Prof. Doutor Filipe Froes, mostra-se dececionado com a postura da Organização...